Categorias: Meio ambiente

Musgos na Cidade

CAPA MUSGO

Recentemente, li uma matéria em uma revista eletrônica sobre a City Tree, a árvore da cidade. Acredito que muitos de vocês leram também, já que ela saiu em diversos veículos de comunicação. O conceito explicado na matéria diz respeito a um painel móvel de 3.5 m² (metros quadrados), totalmente forrado de musgos, instalado nas regiões onde a concentração de poluição é bem alta. Isso mesmo, musgos! Já viram aquelas árvores com umas manchas verdes, parecendo um tapete de veludo? (vide foto). Então, são musgos (não é praga, não vai cortar a bichinha, hein! rs).

ciclo vivo

Fonte: Ciclo Vivo

Parece que cada painel com musgos consegue absorver o equivalente a 275 árvores, capturando cerca de 240 toneladas métricas de gás carbônico (o famoso CO2). Ele funciona como um filtro de poluição, retendo as partículas nocivas.

cnn style

City Tree, cada uma dessas paredes pode retirar até 30% dos poluentes do ar que estejam em um raio de 50 metros, além de produzir oxigênio e esfriar o ar ao redor (O Povo, 2017). Foto: CNN.

      Vamos falar um pouco de musgos para contextualizar: os musgos são as espécies mais antigas do mundo, pois são tolerantes às condições extremas e são achados em todo mundo (9 mil espécies, e destas, 1 mil 650 são encontradas no Brasil). São extremamente importantes para o meio ambiente, pois reduzem o processo de erosão, funcionam como reservatórios de água e nutrientes, e oferecem abrigo a microrganismos. Apesar de viverem em ambientes úmidos e precisarem de água para sua reprodução, eles também podem ser encontrados até no deserto. Ué, como assim? Se o deserto é seco, como os musgos moram lá?

Calma, eles não mutantes, não! Mas possuem um incrível sistema de adaptação climática, e mesmo estando em ambientes secos, esperam a época de chuvas para se reproduzir. Também existem musgos que vivem em ambientes extremamente frios, no continente antártico.

Agora, voltando a falar do tal painel móvel, nas matérias eles não mencionam as espécies dos musgos, mas provavelmente devem estar falando dos musgos-de-turfeira, mais especificamente a espécie Sphagnum capillifolium, que tem alta capacidade de absorver poluentes do ar. Em Minas Gerais, a pesquisadora Maria Adelaide R. Vasconcelos Veado está desenvolvendo um método chamado moss bag para ser utilizado como biomonitoramento (metodologia que avalia a qualidade do ar em termos de poluição do ar nas cidades). Os musgos participantes do filtro usam esses contaminantes do ar para se alimentarem. Mas como que os musgos “comem” a poluição? Armazenando as partículas de poluição e as utilizando como nutrientes.


Concluindo…         

Realmente a proposta da City Tree é muito boa, e certamente poderia trazer benefícios ao ar da cidade, sim. Mas a eficácia da proposta poderia ser maior se os painéis fossem instalados no topo de túneis ou perto do tráfego intenso de veículos, visto que a poluição tende a subir verticalmente para a atmosfera, penetrando pouco nesses painéis. Eu vejo essa ideia mais como uma forma de despertar a consciência e o interesse das pessoas para um problema maior, que é a crescente poluição urbana e o aumento dos gases nocivos do efeito estufa. A população e o governo têm que relacionar os problemas de saúde à poluição nas cidades, e esse já é um forte indicador de que algo tem que ser feito, uma vez que um meio ambiente degradado compromete a saúde pública e, consequentemente, compromete os cofres públicos e afeta a qualidade de vida dos cidadãos.

Temos que investir pesado em cortes das emissões de gases do efeito estufa, investindo em transporte urbano eficiente e de qualidade, e incentivar o uso de bicicletas. Empresas devem flexibilizar horários de trabalho, porque todo mundo acaba saindo no mesmo horário, nos famosos horários de pico (perde-se muito tempo no trânsito, o que acaba resultando na emissão de muito mais poluição). Realizar a manutenção do carro também é bem importante para a manutenção da qualidade do ar urbano (um carro desregulado emite até 50% mais gases tóxicos do que o normal).

Sites consultados:

http://www.infoescola.com/plantas/musgos/

http://espacodoconhecimento.org.br/blog/?p=91

http://www.opovo.com.br/noticias/tecnologia/2017/07/parede-artificial-de-musgo-pode-filtrar-o-ar-275-vezes-mais-do-que-uma.html

Categorias: Meio ambiente

Jardim Vertical

portal br condos 2

Já ouviram falar de jardins verticais? É só dar uma volta pelo Minhocão (via expressa de São Paulo) que você vai ver uns quatro prédios com as paredes forradas de plantas. Pois bem, isso foi fruto de compensações ambientais (como se fosse uma espécie de pagamento que as empresas têm que realizar por ter causado algum dano ao meio ambiente, como o desmatamento, mas em forma de benefícios ambientais. (Por exemplo: X empresa tem que plantar N mudas em alguma área da cidade como compensação por ter desmatado). Essa forma de compensação gerou muita polêmica, porque estudos dizem que esses jardins só compensam 23% das áreas desmatadas.

Semana passada, um promotor de SP quer proibir que a prefeitura use jardins verticais como forma de compensação ambiental. Na minha opinião, não deveria ser permitido para compensações ambientais, pois as plantas do jardim não equivalem a uma árvore, isto é, árvores são muito mais benéficas para a cidade do que os jardins e não se deve comparar os dois tipos de espécies. De qualquer forma, sem dúvidas esse verde todo dá outra cara para cidade, muito mais viva.

Os jardins agregam diversos benefícios para o microclima da cidade (São Paulo é a cidade do concreto, gera dezenas de ilhas de calor localizadas na região). Se a capital fosse verde, os raios solares poderiam ser absorvidos pela terra. Mas como praticamente tudo é de cimento, o calor fica retido nele, aumentando a temperatura de determinados locais na cidade. Observem este prédio no Minhocão, como fica mais atrativo.

Segundo o Sustentaraqui.com (muito bom esse blog, dá várias dicas de eco arquitetura), os jardins verticais trazem vários benefícios. São alguns deles:

-Isolamento térmico: protege contra altas temperaturas no verão;

-Redução de ruídos externos: a vegetação absorve e isola os sons produzidos pelos carros;

-Redução de gastos energéticos: diminui a necessidade de refrigeração devido à redução da temperatura interna do prédio.
Entre outros tantos benefícios, eis aí uma boa ideia. Aliás, fica lindo em casas ou escritórios. Deve ser até um redutor de estresse em ambientes corporativos.

jardim-vertical

Foto: G1, 2015.

Beijos, beijos 

Categorias: Meio ambiente

Voluntariado

59790-O9IFTV-535Eu acho que nunca compartilhei com vocês, mas eu amo voluntariar! Está no meu DNA, não é possível rs.

Eu acho que nunca compartilhei com vocês, mas eu amo voluntariar! Está no meu DNA, não é possível! rs

Comecei lá em Presidente Prudente, no Hospital Regional do Câncer, em 2008. Trabalhando na ala infantil, eu brincava com as crianças enquanto elas aguardavam as consultas. Foi uma experiência bem difícil. As crianças eram muito novinhas e vê-las naquela condição não era nada fácil… porém foi muito gratificante poder ajudá-las de alguma forma em um momento tão delicado.

Depois comecei em um asilo de idosos, chamado Haro Park House Living, em Vancouver. Eu era responsável pelo bar e pela entrega de sorvetes todo domingo, era engraçado mas não era qualquer pessoa que podia ingerir álcool, então às vezes era preciso dar vinho sem álcool para alguns devido restrições, rs (uma vez entreguei errado para um senhor que não podia beber álcool e na distração foi com e para destrocar foi um sufoco rs).

Depois comecei a me voluntariar em um asilo de idosos, chamado Haro Park House Living, em Vancouver. Eu era responsável pelo bar e pela entrega de sorvetes, todo domingo. Era engraçado, mas nem todo mundo podia ingerir álcool, então às vezes era preciso dar vinho sem álcool para alguns, devido a restrições (uma vez entreguei errado para um senhor que não podia beber álcool, e na distração, foi a garrafa errada. Para destrocar foi um sufoco. rs).

Nesse período, resolvi ajudar uma ONG chamada Green Chair Recycling, na qual coletávamos resíduos sólidos nas ruas para posteriormente ir para a reciclagem, ou seja, éramos “catadores de lixo”. Foi bem interessante. Os moradores nos aplaudiam nas calçadas dizendo: muito obrigado por limpar minha cidade (ô, cidadezinha suja! #sóquenão).

Sem título

Eu de gari rs (nossa como estava frio esse dia, argh)

Aqui no Brasil, fui professora de inglês em uma ONG chamada Cidadão Pro Mundo; são quase 500 voluntários espalhados por São Paulo, que ensinam inglês em escolas municipais para a comunidade. Para falar a verdade, nunca havia ensinado alguém antes, então a princípio, ficava um pouco ansiosa, mas no fim deu tudo certo. =)

10570277_599473913541567_3971199436823672633_n

Eu, uma outra volunteacher (assim somos chamados lá rs) e nossos alunos.

Agora sou voluntária da Fundação Alphaville, cuja mantenedora é a empresa Alphaville Urbanismo. A fundação tem trabalhado pelo Brasil inteiro e já beneficiou mais de 400 mil pessoas.

YGcgpNTN

Eu sou nova lá, faz apenas dois meses que frequento a Fundação (um baby ainda rs), mas é um prazer poder trabalhar com crianças novamente. Estou supercontente!

O mais legal é que o espaço é totalmente sustentável; o telhado é feito de bambu, paredes feitas de garrafas e barro, os vidros foram reutilizados de outra obra, há sistema de captação de água da chuva, energia solar e uma horta orgânica bem diversificada.

Quem quiser conhecer, basta juntar dez pessoas que eles fazem um tour pelo espaço.

Foto-CES

CES Alphaville. http://falphaville.agenciafrutifera.com.br/centros-de-sustentabilidade/ces/

Categorias: Meio ambiente

Árvores Urbanas

CAPA ARVORES

 

Meus brotos! Que saudade eu estava de escrever para vocês! I’m back! =D

Hoje vou falar um pouco sobre nossas árvores urbanas localizadas nas vias públicas. (Embora nem todo mundo fique apreciando uma bela árvore como eu, até porque nessa correria de lá para cá, fica difícil parar um pouquinho, não é mesmo?)

Mas sabia que essas bichinhas fazem um bem danado para a gente? Na verdade, elas são umas mãezonas, porque olha só: proporcionam sombra (é que agora está um friozinho gostoso, mas fica parado na Paulista meio dia no “verãozão” para você ver! kkk), servem como barreira natural contra ventos e ruídos (ai ai… aquele bi bi bi de carro é chato demais, né?!), e não menos importante, elas retêm água da chuva, diminuindo assim o problema das detestáveis enchentes (meu pai já perdeu um carro em um desses temporais =´[ ). Ah! Também é uma questão de saúde pública, já que as árvores diminuem a poluição do ar, ao sequestrar e armazenar carbono (podem capturar esses “moços” aí que ninguém vai pagar pelo resgate, hein! rs).

Passando por algumas esquinas, dá para notar que as árvores estão grandes demais para seus espaços, e que em dia de chuva, árvores caem na cidade e deixam partes da cidade sem luz, porque quando caem, podem levar a fiação elétrica junto, e ainda podem destruir carros ou ferir pessoas.

São Paulo tem um índice de queda de árvores a cada três horas, e o número de quedas aumentou em 77% entre janeiro e outubro de 2014. A estimativa é a mesma para o período equivalente em 2015 (levantamento feito pelo site Fiquem sabendo). Mas por quais motivos as árvores caem tanto?

ARBORIXSFS

Fonte: Manual Técnico de Arborização Urbana – Prefeitura de São Paulo

 

Primeiro porque elas estão plantadas de maneira inadequada, impermeabilizadas até o tronco (sujeitas a infestações de pragas e doenças). Segundo, porque as plantas não recebem adubos para crescerem saudáveis e são podadas erroneamente.

Imagino que muitas plantas caíram e não foram plantadas novos exemplares no lugar. São Paulo poderia ter mais verde, como notei na cidade de Montevidéu e no Uruguai, quando fiz um mochilão no ano passado (2016). Estou adorando ver jardins verticais no Minhocão e nos muros da avenida 23 de Maio. Concordam que a cidade fica muito mais charmosa e saudável quando é mais arborizada?

Podemos fazer nossa parte e plantar árvores na calçada, sabia? Qualquer um pode arborizar seu bairro, desde que siga algumas regras, é claro (veja no manual quais são elas).

Há pessoas que reclamam da árvore do vizinho, porque ela suja sua casa ou destrói seu piso, mas é porque tem que saber escolher a espécie certa; há algumas que quase não sujam o chão. A prefeitura lançou um manual técnico de arborização urbana em 2015, que fala tudo sobre as espécies arbóreas corretas para calçadas (vou disponibilizar no final deste post).

 

cassia_carnaval

Parecem cachos de uvas, não é mesmo? Esta é a Acácia (Cassia spectabilis), famosa na cidade.

Quando for fazer seu paisagismo em casa, prefira utilizar espécies nativas brasileiras (cerca de 90% da vegetação usada no paisagismo é de origem estrangeira). A tendência dessas plantas ornamentais é serem extintas da fauna e flora locais. Também, pelo fato de a maioria das pessoas sempre optar por usar as mesmas plantas em seus jardins, há menos biodiversidade e menos geração de serviços ambientais, prejudicando assim o meio ambiente.

nativas paisagismo

Canudo-de-pito (Dichorisandra hexandra), Vedélia (Sphagneticola trilobata) e Begônia (Begonia sp.). Fotos: Fred Kendi apud Haus

>> Manual Téc. de Arborização urbana. Disponível em: https://www.sosma.org.br/wp-content/uploads/2015/03/MANUAL-ARBORIZACAO_22-01-15_.pdf

Categorias: Meio ambiente

Telhas feitas de Pasta de Dente

economia

Nessa semana, foi a virada sustentável aqui na nossa cidade. Aproveitei para dar um pulo na segunda feira de Sustentabilidade promovida pela CES Alphaville. Lá eu vi de perto uma empresa que já tinha visto naquele programa Grandes ideias, pequenos negócios de uma emissora brasileira, essa empresa faz telhas e placas a partir de tubos de pastas de dente. Essa ideia faz parte da economia circular, que a parte restante do processo de um produto, por exemplo, são reaproveitados na parte de outro processo para produzir um novo produto.

Vamos para a parte legal, a parte prática rs.

A empresa recolhe cerca de 100 toneladas de pastas de dente de empresas doadoras.

Essas pastas vão para um triturador, aonde serão moídos, mas antes são retiradas as tampinhas que as envolvem. Para cada placa, são utilizadas mil tubos de pasta de dente.

Depois seguem para serem prensados a quente, aonde ganharão fôrma de telhas.

Elas têm vantagens sobre a telha comum, baixa absorção de calor, alta resistência físico-mecânica, bom isolante acústico e fácil corte e fixação.

Olhem a amostra que peguei lá =)

image1 image2

A telha fica assim:

telha_gd

Fonte: Ecotop

Um ótimo começo de semana para todos !